O mapa e eu

Eu não sei vocês, mas eu tive pouca interação com #mapas na época escolar. Antes da chegada do GPS, viajei e me perdi muito. Pior, até hoje preciso de um minuto a mais para me localizar em um mapa de papel - o que, sem dúvida, diverte o meu marido que me acusa de "problemas de lateralidade". Enfim, digo isso para você, que sofre do mesmo mal de falta de localização, não se preocupar - há uma saída!



Na #pesquisa #genealógica, o uso de mapas é inevitável. Por sorte, os mapas virtuais são excelentes instrumentos para todos - inclusive para os que sofrem com os mapas de papel, como eu. Nesse post, vou dar três dicas de como você pode utilizar o mapa para ajudar na sua #genealogia :


1- Encontre portos de chegada. Não sabe de onde sua #família veio? Use o mapa para conhecer melhor o perímetro onde eles moravam e descobrir como imigraram para a região. Por exemplo: Você tem extensa família em Rio Negrinho/SC? Possivelmente a maior parte deles tenha chegado pelo porto de São Francisco do Sul/SC. Comece procurando pelo #sobrenome de sua família nas listas de desembarque desse porto.


2- Crie novas alternativas de pesquisa. Você não encontra informações sobre aquele antepassado nos cartórios da cidade em que ele viveu? Use o mapa para olhar as cidades circunvizinhas e entre em contato com os cartórios de lá também. Você já deve ter reparado que, conforme os povoamentos cresciam, muitos deles passaram de vilas a distritos e de distritos a municípios. Nesse processo, registros cartorários foram distribuídos e o documento que você procura pode estar na cidade vizinha.



3 - Levante hipóteses. Você tinha um antepassado que vivia em Barra Mansa/RJ em 1850 e encontrou registros do mesmo antepassado em Jacareí/SP cinco anos antes? A princípio, você poderia achar que se trata de um homônimo, mas se olhar no mapa e pesquisar um pouco, verá que houve um intenso fluxo migratório impulsionado pelo café no Vale do Paraíba durante esse período. Sendo assim, investigue mais um pouco antes de concluir não se tratar da mesma pessoa.


Em resumo, seja você um pouco perdido geograficamente como eu ou não, em uma coisa a gente precisa concordar: a tecnologia e a #geografia fizeram um ótimo serviço nos ajudando a ir pra qualquer lugar olhando o #mapa dentro do nosso computador.



Boas pesquisas,


Juliana Beckert

Fundadora do Porto de Chegada

  • YouTube
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • LinkedIn

© 2020 by Porto de Chegada Genealogia.

Rio de Janeiro, Brasil